Introdução

Este é o motor de foguete atualmente em desenvolvimento.
O propelente dos primeiros modelos utilizou uma mistura de nitrato de potássio (65%) e sorbitol (35%) derretida. Todos estes motores têm a câmara de alumínio com as mesmas dimensões e o bico foi variando ao longo do tempo. Apenas os primeiros motores foram testados fora da bancada de testes. Por essa mesma razão, não existem dados quantitativos sobre eles.

Câmara do motor

A câmara de todos os motores têm as mesmas dimensões. É feita de alumínio, cilíndrica e com uma das extremidades tapada. Têm 17mm de diâmetro interno e têm de comprimento interno 109mm.

Bicos do motor

Bico 1

Este foi o primeiro bico a ser feito. É um bico de alumínio com as dimensões teoricamente exatas para o melhor desempenho com uma mistura de nitrato de potássio e sorbitol. Acabou por ser usado apenas duas vezes pois, na altura, não sabíamos que o alumínio não resistiria às temperaturas a que iria ser exposto. Foi feito de modo a levar 2 o-rings de alta temperatura para ser encaixado na câmara do motor. Posteriormente, foi também colocado um pequeno parafuso para fixar o bico à câmara.

Bico 2

Visto que o alumínio não aguentava as temperaturas do foguete, foi necessário fazer um bico com geometria igual à do bico 1, mas em aço.

Bico 3

Um bico tal como o bico 2 é complicado de fazer e demora bastante tempo. Para saber se realmente compensava o uso destes bicos, foi feito um bico de aço mais simples apenas com a parte convergente. Assim, seria possível observar a diferença de desempenho entre os motores com o bico 2 e os motores com este bico.

A parte mais interessante? É quando os motores deitam fogo!
Nos testes estáticos são apresentados dados sobre a força do motor, observações, estimativas teóricas, entre outros. Nos testes de voo temos a possibilidade de ver o resultado final! Vê-os a ambos clicando no botão abaixo.